LOGO PPGCAS
UFJ

ANA PAULA LOPES LIMA

AUTOR: ANA PAULA LOPES LIMA
TÍTULO:  ATIVIDADE LEISHMANICIDA DO ÓLEO ESSENCIAL DE Siparuna guianensis E DO α-Bisabolol ISOLADO DE Siparuna guianensis CONTRA Leishmania amazonensis
ORIENTADOR:  Profª. Drª. Rosângela Maria Rodrigues.
DATA DE APROVAÇÃO: 22/06/2018

 

Resumo:

A leishmaniose é uma doença transmitida por insetos do tipo flebotomíneos infectados por protozoários do gênero Leishmania, cuja forma cutânea é a mais comum com 50 a 75% de casos novos relatados. É uma doença não contagiosa, de evolução crônica, considerada estigmatizante e negligenciada, afetando cerca de 500.000 pessoas no mundo. A maioria das drogas utilizadas no tratamento farmacológico é potencialmente tóxica e requer hospitalização do paciente para sua administração, o que eleva os custos e desestimula a população carente a aderir ao tratamento. Neste cenário, os medicamentos fitoterápicos inserem-se como uma alternativa devido a sua eficácia comprovada e por causarem menos efeitos indesejáveis. O objetivo do presente estudo foi avaliar o potencial leishmanicida e a viabilidade celular in vitro do óleo essencial de Siparuna guianensis (SG) e do α-Bisabolol (AB) isolado de S. guianensis sobre células Vero e promastigotas de Leishmania amazonensis, utilizando o método colorimétrico sal de resazurina (Alamar Blue®) como indicador de metabolismo celular. Foi realizado também ensaio de invasão celular com os parasitos previamente tratados com o IC50 obtido para AB e SG obtido no teste de viabilidade celular, afim de testar o efeito dos compostos na capacidade de infecção dos parasitos. Os resultados foram analisados utilizando o programa GraphPad Prism versão 6.01. Para análise do IC50 foi utilizado os testes de regressão não linear. Os compostos testados demonstraram viabilidade sobre células basais Vero e atividade leishmanicida: SG IC50 131,5 µg/mL e 2,59 µg/mL respectivamente. Para α-Bisabolol as concentrações obtidas foram 103,8 µg/mL e 6,394 µg/mL e para SG foram 94,61 µg/mL e 7,84 µg/mL, respectivamente. Este é o primeiro relato de um ensaio de invasão celular feito com S. guianensis e α-Bisabolol isolado, no qual pode ser observado a inibição de 98,4% de capacidade infectiva de promastigotas de L. amazonensis tratadas com SG na concentração de 131,5 µg/mL e inibição de 95,4 % da capacidade infectiva do mesmo parasito tratado com AB na concentração de 95,4 µg/mL, resultados estes que se aproximam do valor obtido pelo medicamento convencional em um ensaio semelhante in vitro, o que sugere um refinamento da técnica e ensaios in vivo para determinar a ação da S. guianensis e do α-Bisabolol a partir das concentrações obtidas nesta pesquisa.

 

Pdf ícone

TEXTO COMPLETO