LOGO PPGCAS
UFJ

ROSANE GOUVEIA VILELA MACHADO

AUTOR: ROSANE GOUVEIA VILELA MACHADO
TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DOENÇAS INFECCIOSAS EM PACIENTES COM DIAGNÓSTICO DE ARTRITE REUMATOIDE E LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO NO SUDOESTE DO ESTADO DE GOIÁS NO PERÍODO DE 2008 A 2012.
ORIENTADOR:  Prof. Dr. Ricardo de Mattos Santa Rita, Co-orientadores: Prof. Dr. Antônio Carlos Ximenes, Prof. Dra. Vitalina de S. Barbosa
ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: NOVOS MATERIAIS E METODOLOGIAS APLICADAS À SAÚDE
LINHA DE PESQUISA: MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE DOENÇAS
DATA DE APROVAÇÃO: 12/02/2015

 

Resumo:

Introdução: Pacientes com doenças reumáticas autoimunes tem maior risco de desenvolverem infecções quando comparados à população em geral, devido ao comprometimento do sistema imunológico e ao tratamento efetuado. Objetivos: Verificar a prevalência das infecções nos pacientes com artrite reumatoide (AR) e lúpus eritematoso sistêmico (LES) no período de 2008 a 2012; quais os locais mais prevalentes dessas infecções; correlacionar a presença das infecções com dados epidemiológicos, comorbidades, tabagismo, características clínicas e tratamento medicamentoso. Métodos: Foi realizado um estudo transversal descritivo, com análise dos prontuários dos pacientes atendidos de uma Clínica privada localizada no município de Jataí-Goiás, com pacientes referendados desse município e de outros do sudoeste goiano, portadores de AR e LES atendidos ambulatorialmente. Resultados AR: Foram avaliados 102 pacientes com AR, havendo predomínio de mulheres (76,47%), na faixa etária entre 40 a 59 anos (55%), maioria da etnia branca (59,80%), 53,92% cursaram o Ensino Fundamental, a ocupação predominante foi do lar (33,33%) e 49,02% eram procedentes de Jataí. Não houve piora da doença durante a infecção em 78,40% dos pacientes. Os locais de infecção mais frequentes foram o trato urinário correspondendo a 43,75% das infecções, seguido pelas as vias aéreas superiores em 25%, a pele em 11,25%. Diabetes e hipertensão apresentaram associação significativa com infecção. Oitenta e sete por cento dos pacientes com infecções utilizaram associações de drogas. O uso de corticoides, antimaláricos, sulfassalazina e metotrexato mostraram associação negativa com infecção. Resultados LES: Foram avaliados 43 pacientes com LES, a maioria mulheres (86.5%), sendo 21% entre 18 e 29 anos e 23,26% entre 30 e 39 anos. Houve um predomínio da etnia branca (60,47%), 46,52% cursaram o Ensino Fundamental, 34,88% tinham a ocupação do lar, 67,44% eram procedentes de Jataí. A nefrite estava presente em 43,33% e apresentou frequência significativa com infecção. Os locais de infecção mais frequentes foram o trato urinário (32,65%), infecção cutânea (16,33%), vias aéreas superiores (14,29%). A hipertensão, o uso de corticoides, azatioprina e antimaláricos apresentaram frequência significativa com infecção. Conclusões: A prevalência de infecção foi alta nos pacientes com AR e LES e houve associação do sexo feminino, diabetes e hipertensão com infecção nos pacientes com AR e associação negativa do uso de corticoides, antimaláricos, sulfassalazina e metotrexato, ainda no LES, houve associação da raça branca com infecção. Nefrite, hipertensão e o uso de corticoides, azatioprina e antimalárico apresentaram frequência significativa com infecções nos pacientes com LES. Infecções comuns como a urinária são muito frequentes nas duas doenças, sendo necessária maior atenção para tais infecções.

 

Pdf ícone

TEXTO COMPLETO

BDTD BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES