LOGO PPGCAS
UFJ

VIVALDO GOMES DA COSTA

AUTOR: VIVALDO GOMES DA COSTA
TÍTULO: ACURÁCIA DIAGNÓSTICA DE DOIS KITS COMERCIAIS ELISA PARA CAPTURA DO ANTÍGENO NS1 NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO VÍRUS DENGUE: UMA META-ANÁLISE 
ORIENTADOR:  Prof. Dr. Marcos Lázaro Moreli 
ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: NOVOS MATERIAIS E METODOLOGIAS APLICADAS À SAÚDE
LINHA DE PESQUISA: MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE DOENÇAS
DATA DE APROVAÇÃO: 12/01/2015

 

Resumo:

Introdução: O diagnóstico das infecções pelo dengue vírus (DENV) continua um desafio, principalmente devido a ocorrência de reações cruzadas entre os testes sorológicos e devido aos tradicionais métodos para captura de IgM constituírem marcadores tardio da infecção. Todavia, o antígeno NS1 é um marcador precoce. Nesse contexto vários estudos tem avaliado a performance dos testes para a captura do NS1, porém os resultados dos estudos individuais podem ser limitados, por causa do restrito tamanho amostral dos pacientes recrutados. Portanto, nosso objetivo foi realizar uma meta-análise da acurácia diagnóstica de dois ensaios comerciais ELISA NS1 (Panbio® e Platelia™). Métodos e Resultados: Os estudos de interesse foram extraídos das bases de dados PubMed, Embase e Google Acadêmico, com definidos critérios de inclusão e exclusão. Um total de 30 estudos, perfazendo 12.105 pacientes recrutados, foram incluídos na análise estatística. A estimativa global da sensibilidade, especificidade, razão de verossimilhança positiva e negativa, razão de chance diagnóstica foram: 66% (95% intervalo de confiança (CI) 61-71), 99% (95% CI 96-100), 98 (95% CI 20-464), 0.3 (95% CI 0.2-0.4) e 289 (95% CI 59-1412), respectivamente para o kit da Panbio®. Enquanto para o kit da Platelia™, os resultados obtidos foram, respectivamente: 74% (95% CI 63-82), 99% (95% CI 97-100), 175 (95% CI 28-1099), 0.3 (95% CI 0.2-0.4) e 663 (95% CI 98-4478). A menor performance dos testes ocorreram nas infecções secundárias e na detecção do DENV4. Quanto às formas clínicas da dengue, a sensibilidade do Platelia™ foi de 69% (95% CI 43-86) e 60% (95% CI 48-70), para a febre da dengue e febre hemorrágica, respetivamente. A sensibilidade de ambos os testes foram discretamente menores para as amostras provenientes da Ásia e Oceania. Conclusão: As amostras de DENV1 forneceram maior sensibilidade para ambos os testes. Observamos que os fatores influenciando negativamente os testes, tais como o tipo de infecção e o sorotipo viral necessitam de maiores investigações no intuito de melhor aperfeiçoamento da acurácia diagnóstica.

 

Pdf ícone

TEXTO COMPLETO

BDTD BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES